Os Contos Perdidos do Fim do Mundo – Ato 1 (Prólogo)

Prólogo

Aquela névoa sobre o monte Tûhm, negra como as rochas do norte, se mostravam como em nenhum outro ancião pudera viver para ver.

“E vi um grande trono branco e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiram a terra e o céu; e não foi achado lugar para eles.”

A luz branca e alva como neve recém caída no mais rigoroso dos invernos, pairava à direita do monte. O negro rubro cruel como a morte, convidativa e sombria como o pecado, pairava à esquerda do monte.

O sinal nos céus não negam, jamais negaram. Pois assim as escrituras já diziam. O amor abandonou o coração dos homens, incapaz de qualquer outra tentativa desesperada de sobrevivência, a semente outrora plantada na criação de cada ser humano, agora se esvaía, assim como a mágica abandonou nossos antigos. No mundo não existia nada que os deuses tinham criado mais, existia apenas aquilo que o homem, esse ser imundo, criou para si. A ganância tomava conta das mentes, e do coração a vingança.

Não há mais vida, as trombetas soaram. Não há mais tempo, não há mais dia, não há mais noite. Não há mais vida.

Os anjos do descanso eterno do Elísio desceram, arcanjos e toda milícia celeste; demônios, do submundo de Hades se ascendem com suas asas negras e garras de sangue manchadas.

Prontos para pegar as almas as que têm direito, as quais por tanto tempo esperaram, vêm buscar pelas criaturas criadas pelos deuses, tão estúpidas e imbecis, e por elas batalhar como se fossem pequenos pedaço de carne.

” O sétimo anjo tocou a trombeta, e houve no céu grandes vozes, dizendo: O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos.”

Mas quando São Rafael Arcanjo, cavaleiro do Apocalipse, em sua carruagem puxada por alvos cavalos de asas, foi ao encontro do papa para tirá-lo do mundo antes da carnificina, encontrou o santo padre morto, assassinado.

Não se sabe quanto tempo se deu até a ira do arcanjo se transformar em medo, quando ao ver que nenhum homem foi retirado da terra.

Os humanos se rebelaram contra o apocalipse.

E de sua carruagem, marchou de volta para o acampamento dos anjos, à direita do monte, para preparar as tropas, a guerra tinha agora três exércitos.

~Sr. Armada~

Anúncios

Uma resposta em “Os Contos Perdidos do Fim do Mundo – Ato 1 (Prólogo)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s